Sem categoria, Todos

Rotina de exames…

Quando você começa a dialisar a clinica responsável pelo seu tratamento precisa fazer exames mensais de rotina, e existe um padrão para isso, vamos conhecer:

1) Exames mensais: medição do hematócrito, dosagem de hemoglobina, uréia pré e pós a sessão de diálise, potássio, cálcio, fósforo, transaminase glutâmica pirúvica (TGP), glicemia para pacientes diabéticos e creatinina durante o primeiro ano;
Quando houver elevação de TGP, descartadas outras causas, o médico nefrologista deve solicitar o AntiHBc IgM, HbsAg e AntiHCV.
A complementação diagnóstica e terapêutica das hepatites virais deve ser assegurada aos pacientes e realizada nos serviços especializados em hepatites virais.

2) Exames trimestrais: hemograma completo; medição da saturação da transferrina; dosagem de ferritina, ferro sérico, proteínas totais e frações e fosfatase alcalina.

3) Exames semestrais: PTH, AntiHBs, e, para pacientes susceptíveis (com AntiHBC total ou IgG, AgHBs e AntiHCV inicialmente negativos), a realização de HbsAG e AntiHCV. Dosagem de creatinina após o primeiro ano.

4) Exames anuais: colesterol total e fracionado, triglicérides, dosagem de anticorpos para HIV e do nível sérico de alumínio, Rx de tórax em PA e perfil.

Importante: Nos pacientes em Diálise Peritoneal deve-se avaliar a função renal residual e o ¨clearance¨peritoneal anualmente.

A continuidade dos exames específicos de anti-HIV, HBsAg e anti-HCV pode ser dispensada, quando for confirmada a positividade dos testes sorológicos por três dosagens consecutivas.
O serviço de diálise deve registrar os resultados dos exames realizados e os indicadores da eficiência dialítica nos prontuários dos pacientes.

Fonte: RDC – Acesso em outubro de 2013.

Sem categoria, Todos

Vende-se um RIM

Calma pessoal! Eu não estou vendendo, até por que os meus não servem para nada, rsrs…
Só quero avisar que neste domingo (9/9/2012) as 21:30 no Discovery Channel vai passar um programa investigativo sobre a venda ilegal de rins. Honestamente eu não acho muito bom esse tipo de mídia, pois faz o contrario do que seria bom para nós que precisamos de um rim, ou seja, amedrontar as pessoas e faz com que essas desistam de ser doadoras. Mas como tudo no mundo existe dois lados e eu acho que cada um decide o que quer, e pesando tudo, serve mais de alerta para quem se ilude em comprar um rim de forma ilegal. Então eu resolvi avisar, é algo que poderia ser lindo/nobre/desprendido e alguma spessoas tornam isso sujo e perigoso.
No programa vocês vão poder ver (se o programa foi bem feito e não for só sensacionalista, rsrs) que É PERIGOSO TAMBEM PARA QUEM RECEBE!
Eu vou tentar gravar o programa e tentar disponibilizar aqui depois, mas não prometo que irei conseguir.

Aproveitando o gancho, aviso que assim que terminar de organizar minhas coisas eu volto a postar aqui, tenho muita novidade (boa e ruim) e estou louca para compartilhar.

Atualizado (12/9/2012):
Assisti o programa mas nem achei que compensava gravar, foi bem fraco mesmo, a unica informação válida nem foi referente ao trafico de orgãos e sim sobre o tratamento de desensibilização, que logo mais eu vou escrever aqui, é uma informação importantissima e que é pouco divulgada.

Sem categoria, Todos

Orientações para controle de SAL e LIQUIDOS…

Um dos maiores problemas de estar em diálise é o controle de líquidos, se você consegue seguir adequadamente sua dieta liquida, considere-se um privilegiado.

Problemas relacionados ao consumo elevado de sal e líquidos:

– Inchaço (edema), aumento da pressão arterial.
– Água no pulmão, cansaço, falta de ar.
– Maior esforço do coração.
Dicas para diminuir o consumo de SAL:
– Use pouco sal no preparo dos alimentos ou prepare tudo sem sal e acrescente no prato 1g de sal no almoço e 1g de sal no jantar.
– Evite alimentos muito salgados: Linguiça, salsicha, carne-seca, presunto, mortadela, azeitona, palmito, sopas industrializadas, miojo e alimentos enlatados.
– Prefira margarina e manteiga sem sal.
– Prefira queijo branco sem sal ou ricota.
– Evite temperos prontos como caldo de carne, mostarda, catchup, maionese, pasta de alho, molho de soja (“Shoyo”).
– Não use outros tipos de sal, como “sal light”, pois contêm muito potássio.
– Para melhorar o sabor dos alimentos abuse de temperos naturais como: cebolinha, salsa, alho, cebola, manjericão, folha de loro, coentro, cominho, orégano, vinagre, suco de limão, etc.
Dicas para controlar a sede e o consumo de líquidos:
– Evite alimento com muito sal ou muito doce.
– Prefira bebida e frutas geladas.
– Faça bochechos com água ou molhe os lábios.
– Evite sopas e caldos.
– Evite frutas que contêm muita água como melancia e melão.
ATENÇÃO:
Pergunte ao seu médico/nutricionista a quantidade diária de água que você pode ingerir, e para ter o controle correto, procure deixar uma garrafa com o volume exato de água que você pode beber e beba somente a água dessa garrafa, caso beba algum suco, retire da garrafa a quantidade que bebeu.
Ex: Bebeu um copo de suco, despeje em um copo a água de sua garrafa e descarte (de preferência ofereça a alguém ou molhe uma plantinha).
IMPORTANTE: Não esqueça que sucos, café, leite, chá, refrigerante, gelatina e sopa também são considerados líquidos.
Sem categoria, Todos

Orientações sobre o Fósforo…

O fósforo, assim como o Potássio, tambem deve ser controlado seguindo uma dieta adequada, evitando a ingestação exagerada de alimentos ricos em fósforo.

Problemas relacionados a níveis elevados de fósforo no sangue:

– Desenvolvimento de doença óssea.
– Retirada de cálcio dos ossos, com dores, enfraquecimento e quebra dos ossos.
– Calcificação (endurecimento) dos tecidos moles, como vasos sanguíneos, coração e pulmões.
– Coceiras em todo o corpo.
Você pode prevenir e tratar esses problemas ingerindo alimentos com pequenas quantidades de fósforo.
Alimentos RICOS em fósforo que devem ser EVITADOS:
Sardinha, atum, miúdos de frango, fígado de boi, linguiça, salsicha, presunto, mortadela, salame, etc.
Amendoim, paçoquinha, castanha de Caju
Coca-Cola, Pepsi – Cola, Cerveja
Alimentos RICOS em fósforo que devem ser CONSUMIDOS NAS QUANTIDADES RECOMENDADAS:
Carnes em geral: boi, frango, peixe (1 ou 2 porções pequenas ao dia).
Leite e derivados: Queijo, iogurte, requeijão (2 porções ao dia).
Ovo: 2 unidades por semana.
Feijão, Lentilha, grão de bico, soja (consumir 1x ao dia sem o caldo).
Esses alimentos não podem ser totalmente excluídos da alimentação, pois contêm proteína que é fundamental para o organismo.

Dica: Se você já esta em diálise e seu fósforo vem muito alterado, converse com seu medico se será necessária a utilização de quelantes para abaixar os índices de fósforo. Não tome nenhum medicamento que não esteja indicado pelo seu medico ou que ele autorize.
Sem categoria, Todos

Orientações sobre o Potássio…

Para controlar o potássio é importante tomar alguns cuidados com as frutas, verduras e legumes que são alimentos ricos em potássio. No entanto, não se deve excluir totalmente esses alimentos da dieta, pois contêm outros nutrientes importantes para  o organismo como fibras, vitaminas e minerais.
Tabela de exemplo:
FRUTAS COM MENOS POTÁSSIO
Laranja Lima média
Banana maçã média
Abacaxi (1 fatia média)
Maçã média
Pêra média
Tangerina
Ameixa fresca média
Caqui médio
Manga (1 unidade pequena)
Melancia (1 fatia média)
Jabuticaba (2 pires de chá)
Morango (10 unidades)
Limão (1/2 copo)
Pêssego médio.
FRUTAS COM MAIS POTÁSSIO
Laranja pêra média
Banana prata, nanica
Mamão (1 fatia média)
Melão (1 fatia média)
Abacate (1/2 und. média)
Uva (1 cacho pequeno)
Maracujá médio
Goiaba média
Kiwi médio
Jaca (5 gomos)
Amora (10 unidades)
Figo médio
1/2 copo de água de coco
Lembrete: Sucos naturais equivalem a 1 porção da fruta.
Você pode comer 1 ou 2 frutas por dia com POUCO potássio ou 1 fruta por dia com MUITO potássio.
IMPORTANTE: Não comer carambola, pois é tóxica para quem tem Insuficiência Renal Crônica.
Como reduzir a quantidade de Potássio dos alimentos:
O cozimento em água reduz cerca de 60% do potássio das verduras e legumes. Para tanto, deve-se proceder da seguinte maneira:
– Descascar os legumes/vegetais
– Colocar em uma panela com bastante água e deixar ferver
– Escorrer a água do cozimento
– Refogar como desejar
Em geral, os vegetais crus podem ser ingeridos em pequenas quantidades (1 pires de chá)
Sopas: Não utilize a mesma água onde foram cozidos os legumes e verduras, pois esse caldo é rico em potássio.
EVITAR:
Caldo de Cana
Suco concentrado de fruta
Chocolate
Amendoim, Castanha, Amêndoa, etc.
Extrato de tomate
Frutas secas: Uva passa, Ameixa Seca, Coco seco ralado
Sintomas de excesso de potássio (hipercalemia):
Geralmente são cardiovasculares como a desaceleração da freqüência cardíaca, arritmia, diminuição da pressão arterial, podendo evoluir para uma parada cardíaca.
Sem categoria, Todos

Antibióticos…

O uso excessivo de antibióticos além de danificar os rins pode criar uma resistência prejudicial a sua saúde. Como estava com uma infecção urinaria que estava resistente para a maioria dos antibióticos e esses dias recebi um panfleto informativo da Ultrafarma que explica a forma correta de usar um antibiótico, resolvi publicar aqui as informações desse panfleto.
As bactérias são microorganismos que, em contato com o nosso corpo, são capazes de originar várias doenças (infecções).
O nosso organismo utiliza nossas células de defesa para destruir essas bactérias, mas nem sempre ele consegue vencer sozinho essa batalha.
É por isso que necessitamos da ajuda dos antibióticos, que são medicamentos específicos para o tratamento de doenças causadas por bactérias.
Em algumas situações, uma ou outra bactéria sobrevive e pode sofrer modificações ou mutações que as deixam mais “fortes” e levam ao surgimento das bactérias resistentes.
Como consequência, os antibióticos perdem a batalha e o tratamento da doença fica muito mais difícil.
Esse processo é conhecido por resistência bacteriana. Para evitá-la, devemos utilizar corretamente os antibióticos.
USO CORRETO DOS ANTIBIÓTICOS:
1- Nunca tome medicamentos sem o conhecimento do seu médico.
2- Aos primeiros sintomas de uma doença infecciosa (febre, dor, calafrios) procure o médico.
3- Nunca tome antibióticos indicados por colegas, amigos, vizinhos ou parentes.
4- Nunca compre ou tome antibióticos por conta própria.
5- Diga não a “empurroterapia” e a automedicação.
6- Apenas o profissional habilitado saberá qual é o melhor antibiótico para o tratamento da sua infecção bacteriana.
7- Respeite sempre a dose e o horário indicados; informe-se com o farmacêutico/médico.
8- Não tome antibióticos junto com bebida alcoólica.
9- Nunca interrompa o tratamento antes do recomendado, mesmo que os sintomas desapareçam.
10- Em caso de uma nova infecção, nunca reaproveite a sobra de antibióticos usados no tratamento da infecção anterior.
11- Nunca guarde a sobra do antibiótico usado após o fim do tratamento.
12- Antibióticos não têm nenhum efeito sobre gripes e outras doenças causadas por vírus.
Sem categoria, Todos

"Bem vindo à Hemodialise"


Q
uando eu soube que teria que fazer hemodiálise eu não imaginava o tanto de informação que teria que absorver para fazer o tratamento de forma correta, eu resolvi escrever como funciona a rotina (básica) de uma clinica e o significado das palavras mais utilizadas.
Bom, antes de iniciar seu tratamento, é feita uma entrevista médica, onde o profissional irá determinar como será feito seu tratamento, como tempo de cada sessão, peso seco (que será definido com mais precisão durante as primeiras sessões), em que lugar você vai ficar (existem salas separadas para pacientes com Hepatite e HIV). Geralmente no dia da entrevista é coletado um exame de sangue e através dele será determinado os remédios a serem receitados.
É necessário que tenha algum acesso para fazer a sessão, pode ser através do Cateter ou da Fistula.
Quando você chega na clinica, a primeira coisa que faz é se pesar e medir sua pressão. O técnico de enfermagem que esta encarregado de seu box / sala /etc irá anotar os dados em seu prontuário, e através da informação do seu peso seco, ele irá programar na maquina quanto peso você irá perder na sessão, em seguida será feita a punção com duas agulhas em sua fistula, ou vai ligar a linha (as famosas mangueirinhas) diretamente no seu cateter. De qualquer forma, são 2 acessos, um para puxar o sangue e transporta-ló até o capilar (filtro) e outro acesso para devolver o sangue já filtrado.

Logo no começo da sessão é aplicada uma dose de heparina, para evitar que o sangue coagule no processo da hemodiálise.

As sessões duram em média 4 horas, e durante essas 4 horas você poderá dormir (já que na maioria das clinicas, as cadeiras são reclináveis), ler, bater papo com os colegas que estão dialisando perto, etc.

Aproximadamente na metade da sessão é servido algum alimento, geralmente um lanche, que ajuda o paciente a aguentar o restante da sessão, já que a hemodiálise não retira somente as toxinas, muitas vitaminas são perdidas no tratamento e é normal que dê hipotensão durante as sessões, então é muito importante comer alguma coisa. Geralmente após o lanche a pressão é verificada novamente.

Ao final da sessão, o  sangue é devolvido junto com uma certa quantidade de soro (que faz com que a menor quantidade possível de sangue permaneça na linha), alguns medicamentos podem ser injetados direto na linha, vai depender da conduta de cada clinica, contudo dependendo da necessidade, após a sessão o paciente recebe a medicação injetada subcutaneamente no braço ou na barriga.

Novamente a pressão é medida, o curativo na fistula ou cateter é feito e você se pesa para saber se retirou o peso definido pelo médico.

20 dicas que só um paciente saberia dar:
1- Use basicamente o mesmo estilo de roupa, para não dar diferença no peso.

2- Use roupas básicas, não vá de plumas e paetês para a hemodiálise, alguns produtos utilizados na limpeza e manutenção das maquinas mancham as roupas, e como as vezes esses produtos são espirrados acidentalmente em você, perder uma blusa e uma calça é comum (no começo eu perdi várias blusinhas, rsrs, principalmente por que usava cateter).
3- Use roupas confortáveis e que se ajustem ao corpo, pois se você tirar muito peso, ao andar você pode ficar sem calça (já vi acontecer 2x).
4- Leve uma manta, um edredom ou similar, geralmente o ambiente é gelado, e você pode passar muito frio.
5- Carregue sempre um doce e um salgado, é comum após a hemodiálise dar uma crise de hipotensão (necessitando um salgado) ou de hipoglicemia (necessitando de um doce)
6- Anote sempre seu peso, pressão e quanto de peso retirou, isso ajuda a diagnosticar uma serie de problemas que podem surgir durante o tratamento.
7- Anote sempre que tomar uma medicação,  e se existir alguma reação além de informar ao médico, anote.
8- Faça um check-up anual, verifique principalmente a visão, audição e o sistema cardíaco, que são os mais afetados pela hemodiálise.
9- Peça para o enfermeiro lhe passar o esquema da vacina da Hepatite B, pacientes em hemodiálise devem tomar 3 doses duplas da vacina para tentar pegar imunidade (uma minoria apesar de fazer o esquema corretamente não pega imunidade).
10- Sempre que chegar na clinica, olhe seu capilar e veja se seu nome esta fixado nele.
11- Se tem fistula, ao chegar na clinica lave bem o braço com sabão antes de receber as punções.
12- Compre uma capa e antes de sentar, coloque a capa na cadeira.
13- Se começar a suar frio, esta tendo crise de hipoglicemia, avise o técnico, não segure o sintoma pois você pode entrar em choque.
14- Se sentir a visão ficando turva, o corpo amolecendo, você esta tendo uma crise de hipotensão, avise o técnico, resistir ao sintoma pode fazer no mínimo você desmaiar.
15- Se sentir enjoado com uma vontade de vomitar, você esta tendo uma crise de hipertensão, avise o técnico, segurar o sintoma lhe trará uma dor de cabeça horrível, além de correr um serio risco de se vomitar todo.
16- Se sentir câimbras, é sinal que a maquina tirou muito peso seu, avise o técnico, ele vai diminuir a quantidade de peso a ser retirado ou irá desligar a maquina.
17- Ao final da sessão verifique se o medicamento receitado foi administrado.
18- Ajude o próximo, as vezes um companheiro da frente/do lado esta passando mal e não consegue nem chamar alguém para socorrer, não tenha receio, chame o técnico e diga que acha que a pessoa não esta bem.
19- Procure fazer algo útil durante a sessão. Se não consegue dormir, leve um livro, revista, um jogo (eu levo um PSP), escute radio pelo celular, só não deixe a mente ficar pensando abobrinha.
20- Faça sua parte e deixe os profissionais fazerem a deles, se meter no trabalho dos outros atrapalha o funcionamento da clinica, se envolva apenas quando você dominar bem o assunto e perceber alguma irregularidade (isso vale principalmente para os acompanhantes).

Dicionário:
Capilar: É o filtro por onde seu sangue vai percorrer para se livrar das toxinas, ele é único, só poderá ser utilizado por você, então deve ter seu nome e ser utilizado apenas 12x e descartado em seguida.
Heparina: É um medicamento que evita a coagulação do sangue, quando administrada em exagero pode aparecer hematomas pelo corpo, seu médico irá definir a quantidade ideal para seu caso.

Hipertensão: É o aumento da pressão arterial.

Hipoglicemia: A queda de açúcar no sangue.

Hipotensão: É a queda da pressão arterial.

Linha: São as mangueiras por onde seu sangue percorre do seu corpo até o capilar, e do capilar retornar para seu corpo. Também são únicas, nenhum outro paciente poderá utilizar esse material.

Peso seco: É o peso no qual você sai bem da hemodiálise. Ex: Pesei-me 55 kg, mas estou inchada e com falta de ar, quando estou com 53 kg me sinto bem, então meu peso seco é 53 kg, e no caso teria que tirar 2 kg de excesso de líquidos mais 500g do soro que recebo e o lanche que como durante a sessão, ou seja, 2,5kg. Sempre é tirado algumas gramas a mais para compensar o soro e o lanche, esse valor irá de acordo com cada clinica.

Prontuário: É seu histórico clinico, onde fica registrado todas as pressões medidas, seu peso, medicação dada, intercorrências, etc.

Punção: É a aplicação da agulha na fistula.

Nota: Cada clinica administra de uma forma o tratamento aos pacientes, mas as operações básicas são praticamente as mesmas.
Sem categoria, Todos

Sempre uma esperança…

Estou para falar deste livro há meses. Eu o li pouco tempo depois que descobri que precisava de um transplante renal, e apesar de já ter me inscrito na fila de transplante, eu estava em duvidas se queria mesmo optar pelo transplante ou ficar somente na hemodiálise, já que não passava mal, saia da sessão como entrava, sem problema algum.
Eu precisava conversar com algum transplantado, ter algum contato com o “outro lado” do tratamento, mas na clinica nenhum transplantado aparecia para mostrar que era uma boa ou uma má opção. A necessidade de saber o que sente, como é, o que vem antes, o que acontece durante e como reagir depois, me levou a buscar na internet o que não conseguia pessoalmente, eu necessitava mesmo de exemplos, ter provas de que o transplante era a melhor opção. 
Procurei com cautela, pois a internet é uma faca de dois gumes, você pode encontrar muita informação boa e verídica, mas também pode encontrar informações errôneas e individuais, de casos que normalmente não acontecem e infelizmente até inventados por pessoas desocupadas.
Pensei em entrar em contato com os transplantados pelo orkut, mas fiquei com muito medo de ler os tópicos que existiam nas comunidades, era muita informação para ser digerida de uma vez, então comecei a procurar um livro de alguém que contasse como foi sua experiência, e que escrevesse de forma natural e não escondesse o lado bom e o lado ruim, pois se temos que passar por essa experiência, então é bom saber os detalhes, mesmos os mais difíceis de engolir.
No próprio orkut escrevi “livro transplante” e busquei por tópicos, e para minha alegria, encontrei o Rubem, inclusive peço permissão de chamá-lo assim, pelo próprio nome, pois me identifiquei tanto com ele, que considero um grande amigo mesmo tendo trocado 2 ou 3 e-mails (apenas para pedir autorização de divulgar o livro aqui no Casos Renais). Enfim,  eu não li, eu simplesmente DEVOREI o livro. Percebi que os medos que eu tinha, o Rubem teve também quando fazia hemodiálise, os medos que tenho a respeito do transplante, ele também teve, me emocionei em diversas passagens, dei risada em outras, e aprendi muitas coisas que nem passavam pela minha cabeça, e conclui que todo renal crônico tem os mesmos medos, as mesmas cismas, que temos mais coisas em comum do que somente a doença.
O interessante do livro, é que no caso, o transplante dele foi feito com doador vivo, então as pessoas que sentem duvida se querem ser ou não ser doadoras  de algum orgão para um ente querido, basta ler o livro, lá ele não esconde nenhum detalhe, tanto da parte dele, quanto a da doadora.
Recomendo e MUITO a leitura desse livro, principalmente para quem esta confuso em relação ao tratamento ou quer se informar melhor para ajudar um amigo/familiar.
Rubem, você é uma pessoa maravilhosa, o fato de você usar boa parte do seu tempo para escrever esse livro sem a intenção de lucrar com isso, já que você o disponibiliza gratuitamente pelo site, ganhou minha admiração, meu respeito e principalmente meu carinho. Obrigada por compartilhar suas experiências. Que Deus te ilumine sempre e ilumine também sua doadora.

Quem quiser ler o livro dele, basta acessar o site http://www.rubemmyrrha.com/ que tem o link para baixar o livro em formato PDF.
Sem categoria

O que causa a IRC?

Existem tantas coisas que fazem perder a função renal, que quando eu penso que já descobri todas as causas, eu me assusto pois descubro mais uma. Vou fazer uma sequencia de topicos explicando as principais delas, e quanto mais eu for descobrindo, mais informação eu vou adicionando, então esse topico aqui será atualizado sempre que eu descobrir mais alguma causa.
As causas mais conhecidas são: Diabetes Mellitus, Hipertensão Arterial, Glomuronefrites e Rins Policisticos, mas existem muitas, muitas e muitas causas. Além das doenças você pode perder seus rins por traumas (acidentes).
Abaixo deixo os links para os textos explicando cada uma delas:

Diabetes Mellitus
Hipertensão Arterial
Rins Policisticos
Glomerulonefrite
Lúpus Eritematoso Sistêmico – (Glomerulonefrite)
Nefropatia por IgA – (Glomerulonefrite)
Nefropatia Membranosa – (Glomerulonefrite)
Nefrite Intersticial – (Glomerulonefrite)
Nefropatia por Analgésicos
Nefropatia por Refluxo
Nefrocalcionose
Amiloidose
Sindrome de Alport

Se alguem perdeu os rins por alguma causa que não está listada aqui, por favor me informe para que esse topico fico o mais completo possivel, é importante para informar e ajudar até a prevenir as pessoas.

Sem categoria

Hemodialise

A hemodiálise (HD) é um dos maiores avanços da medicina. Os rins são os únicos órgãos nobres que podem ser substituídos, ainda que não perfeitamente, por uma máquina. Se você tem uma falência do coração, do cérebro, dos pulmões, do fígado etc… e não se submeter a um transplante de órgãos, o seu destino será impreterivelmente a morte. Se seu rim entrar em falência, você passará a fazer diálise e ainda poderá viver e ser produtivo por muitos anos.

Agora, é agradável fazer diálise? Com certeza não. Mas o tratamento tem que ser encarado como uma oportunidade de vida em uma doença que há poucas décadas era fatal. Hoje as pessoas dialisam e levam uma vida próxima do normal, podem sair, trabalhar, ir ao cinema, viajar, praticar exercícios, jantar fora, etc…

90% dos pacientes em hemodiálise afirmam que o método não é tão ruim quanto imaginavam. Alguns inclusive nem se interessam por entrar na fila do transplante de tão bem adaptados que ficam.

COMO FUNCIONA A HEMODIÁLISE?

Toda vez que 2 líquidos com concentrações diferentes de uma determinada substância, são separados por uma membrana permeável (ou seja, contenha poros), a tendência é que elas se equilibrem. Após algum tempo, a concentração da substância fica igual dos 2 lados.
Isso só ocorre se as moléculas da suposta substância forem menores que os poros da membrana. Pense na membrana como uma esponja fina.
Reparem no desenho abaixo. São dois líquidos separados por uma membrana com poro de um fictício tamanho 3. De um lado temos três moléculas de tamanhos diferentes. A vermelha que é maior que o poro (tamanho 4), a amarela que é um pouco menor (tamanho 2,5), e a azul que é bem menor (tamanho 1)



A molécula azul passa facilmente entre os poros e rapidamente entra em equilíbrio. A amarela por ser apenas pouco menor que o poro, demora um pouco mais, mas acaba por equilibrar-se. Já a vermelha é maior que o poro, e não importa quanto tempo demore, ela nunca irá se equilibrar.

Se você entendeu esse conceito, você já entendeu como funciona a diálise.
Existe a hemodiálise que é feita pelo sangue com um filtro artificial, e a diálise peritoneal, que usa o peritônio, uma membrana que envolve os órgãos abdominais, como filtro.
Vou me ater só a hemodiálise neste texto.

Então como funciona a hemodiálise? Veja o gráfico.


O paciente insuficiente renal é ligado à uma máquina que puxa seu sangue através de uma bomba circuladora. Esse sangue passa por um filtro que possui uma membrana semipermeável, que retira as toxinas e as substâncias em excesso, e devolve o sangue limpo para o paciente. Existe infusão de heparina para evitar que o sangue coagule dentro do sistema.

Reparem no filtro abaixo. No centro fica o sangue cheio de toxinas e em volta o líquido da diálise (chamado de banho de diálise) sem nenhuma toxina. Eles ficam separados por uma membrana porosa que permite a troca de moléculas.

O sangue rico em toxinas, através da membrana do filtro, passa estas substâncias para o banho de diálise que não contém toxina nenhuma.

Se este fosse um processo estático, depois de um tempo aquele sangue em contato com o banho se equilibrariam e não haveria mais trocas. Mas o processo é dinâmico, com o sangue correndo em direção contrária ao banho.

Como eles estão em circulação, a diferença de concentração é sempre grande, e não ocorre equilíbrio nunca, pois há sempre sangue saturado de toxinas chegando de um lado e líquido de diálise limpo chegando do outro. Após as trocas, o sangue limpo retorna ao paciente e o banho cheio de toxinas é desprezado.

Do mesmo modo que ocorreu no primeiro gráfico, moléculas pequenas passam rapidamente de pelo filtro, as médias demoram algumas horas e as grandes não são filtradas. O poro da membrana tem que ter um tamanho que consiga filtrar a maioria das toxinas, mas também impeça a filtração de moléculas importantes como as proteínas e vitaminas que costumam ser grandes. Infelizmente não existe dialisador perfeito, e para evitar essas perdas, algumas substâncias tóxicas de grande tamanho acabam não sendo dialisadas.

Do mesmo modo que o excesso de algumas substâncias são filtradas, o excesso de água acumulado pela falta de urina, também é retirado durante uma sessão de HD. Em geral, de 1 a 4 litros por sessão. Esse processo é chamado de ultrafiltração.
Uma sessão de hemodiálise convencional para pacientes renais crônicos dura  de 3 horas e meia a 4 horas. Este é o tempo necessário para a filtragem da maioria das moléculas desejadas e de uma ultrafiltração que não provoque queda da pressão arterial . Em geral são realizadas 3 sessões por semana.

A HEMODIÁLISE SUBSTITUI OS RINS PERFEITAMENTE?

Não. O problema é que o rim não é apenas um mero filtro do sangue, ele exerce várias outras funções no nosso organismo.

Quais são essas funções e como a diálise substitui o rim nesses casos?


1. Controle da água corporal

Os rins, através da urina, mantém sempre o nível de água corporal mais ou menos constante. Se estamos desidratados, urinamos menos. Se ingerimos muita água, urinamos mais.
A hemodiálise quando bem feita consegue manter um balanço razoável de água. O processo de retirada de água na HD é chamado de ultrafiltração (UF). Como a maioria dos doentes em diálise já não mais urina, toda água ingerida fica no organismo até a próxima sessão de HD.
Em geral, o corpo tolera uma ultrafiltração de no máximo 4 litros por sessão de hemodiálise (1 litro por hora). Uma ultrafiltração maior pode levar a hipotensão.
Portanto, o paciente renal crônico em HD deve controlar a ingestão de líquidos para não ganhar mais do que 1 kg por dia (1 litro de H2O = 1 kg). Alguns doente não fazem nenhum tipo de controle e às vezes chagam para hemodiálise com 6-7 kg acima do peso. Em geral não toleram retirar todo esse excesso durante a HD e voltam para casa com líquido a mais.
Se o doente permanecer sempre ganhando mais peso do que consegue perder, começam a surgir hipertensão grave, edema das pernas, falta de ar, e em alguns casos, edema agudo do pulmão, uma condição grave, onde o pulmão fica encharcado de água e o paciente morre como se estivesse se afogando

2. Controle do nível de eletrólitos (sais minerais tipo sódio, potássio e fósforo)

Alguns eletrólitos do sangue como potássio (K+) e sódio (Na+) são facilmente dialisados. Outros como o fósforo, são substâncias que ficam muito mais dentro das células do que na corrente sanguínea, e por isso, são dialisados menos eficientemente.
É importante lembrar que a diálise é feita apenas 3x por semana nos renais crônicos, portanto, mesmo as substâncias facilmente dialisáveis como o potássio, sofrem acumulo durante o período interdialítico. E quando em excesso, o potássio pode levar a arritmias cardíacas e morte súbita. Para se evitar esse problema, o doente renal crônico deve ter uma dieta pobre em potássio.
Os rins são muito mais eficientes no controle do fósforo do que a hemodiálise. Por isso, o paciente em HD também deve controlar o ingestão e usar medicamentos que impeçam a absorção do fósforo contido nos alimentos (Carbonato de cálcio ou Renagel).
O excesso de fósforo está associado a uma maior taxa de lesões nos ossos, complicações cardiovasculares e de mortalidade na diálise. O rim trabalha 24 horas por dia durante 7 dias da semana para controlar os níveis dos eletrólitos. A HD só o faz por 4 horas por dia e 3x por semana. Não se pode consumir o mesmo tipo de comida nos dois casos. O doente renal crônico tem que ter uma dieta específica.

3. Controle do pH do sangue

O controle dos ácidos no organismo segue o mesmo pensamento dos eletrólitos. O corpo produz substâncias ácidas ininterruptamente e o rim as elimina conforme necessário. O doente renal crônico só consegue eliminá-las 3x por semana e passa a maior parte do tempo com o sangue mais ácido do que o normal. O excesso de ácido no sangue leva a uma maior lesão dos ossos, maior consumo de músculo e diminuição da função de várias células no organismo.

4. Controle da pressão arterial

A pressão arterial no doente em HD está intimamente ligada a quantidade de água corporal. Doentes que não controlam a quantidade de sal que comem, sentem mais sede uma vez que não há rim para eliminar o excesso de sódio. O doente com sede bebe mais água e costuma ganhar mais líquido do que consegue retirar na HD, como explicado no item 1.
Os doentes bem dialisados e que fazem controle da ingestão de água, costumam ter pressões arteriais normais, mesmo sem medicações anti-hipertensivas e ausência de edemas no corpo.

5. Síntese de hormônios que estimulam a produção de hemácias (glóbulos vermelhos)

Os rins produzem um hormônio chamado de eritropoetina, que estimula a medula óssea a produzir as hemácias. O rim do renal crônico não consegue produzi-la e o resultado final é o surgimento de anemia.
O renal crônico com anemia deve tomar injeções de eritropoetina artificial para manter níveis aceitáveis de glóbulos vermelhos. O valores de hemoglobina desejáveis no renal crônico estão entre 11 e 12 g/dl (um pouco abaixo do normal na população normal).
Doentes insuficientes renais crônicos também apresentam ferro sanguíneo mais baixo, e sua reposição às vezes se faz necessária para correção da anemia.

6. Controle da saúde dos ossos através da produção de vitamina D

O rim ativa a vitamina D, que por sua vez, controla a saúde dos ossos. O paciente renal crônico apresenta carência desta vitamina, que junto com o hiperparatireoidismo (funcionamento excessivo da paratireóide), leva a lesões graves do ossos.
Os pacientes em diálise podem precisar de vitamina D sintética e medicamentos que inibam a função a paratireóide (Cinacalcet). Em casos mais graves pode ser preciso inclusive a retirada cirúrgica da paratireóide (não confundir com a tireóide)

Como vocês podem ver, a hemodiálise está longe de ser um perfeito substituto para o rim.


O rim normal filtra 100ml de sangue por minuto => 6000 ml (6 litros) por hora => 144000 ml (144 litros) por dia => 1008000 ml (1008 litros) por semana.


A diálise em média filtra 300 ml de sangue por minuto => 18000 ml (18 litros) por hora => 72000 ml (72 litros) por 4 horas de HD => 216000 ml ( 216 litros) por semana em 3 sessões de HD.


Ou seja, em 1 semana o rim normal filtra 1008 litros de sangue enquanto que, 3 sessões de HD apenas 216 litros, quase 5x menos. Apesar de não ser o ideal, a HD é suficiente para manter o paciente vivo e produtivo.

Fonte da Informação:
http://www.mdsaude.com/

Quais são os riscos:
Os riscos imediatos incluem:
    * choque
    * angústia emocional
    * infecção
    * desequilíbrio de eletrólitos

Os riscos a longo prazo incluem:
    * anemia
    * hipotensão
    * retardamento do crescimento
    * complicações neurológicas
    * pericardite
    * osteodistrofia
    * problemas psicológicos graves

Como se preparar para o exame:
Os medicamentos para pressão sangüínea muitas vezes são suspensos por de 6 a 12 horas antes da hemodiálise, bem como vitaminas solúveis em água. Também é melhor alimentar-se antes do tratamento, uma vez que a diálise pode levar de 4 a 5 cinco horas e não é permitido comer durante o procedimento.

Antes de o médico iniciar o procedimento da hemodiálise, são feitas as seguintes avaliações:
    * pressão sangüínea
    * temperatura
    * freqüência cardíaca
    * freqüência respiratória
    * peso
    * exame do tórax
    * exame do acesso venoso
    * explicação do procedimento, se o paciente achar necessário

O que se sente durante o exame:
Um vez que a diálise demora diversas horas, pode ocorrer tédio. Especialmente para crianças é importante que haja jogos, alguma coisa para ler ou outra distração qualquer.

Fonte da informação: http://adam.sertaoggi.com.br/encyclopedia/


Dicas:

– Antes de começar a dialisar, verifique se o capilar (filtro) tem seu nome, evitando que você utilize o material de outra pessoa.
– É importante antes da sessão de hemodiálise o paciente se alimentar bem para que não fique com hipotensão durante a sessão.
– Qualquer sintoma durante a hemodiálise deve ser comunicado ao técnico ou enfermeiro, para que alguma medida seja tomada, ninguém tem que ser “herói” na maquina e ficar suportando sintomas em silêncio.
– Fique atento às medicações que são aplicadas antes, durante e após a sessão também é importante, você é o maior responsável pela sua saúde.
– Sempre que existir duvida, pergunte ao medico responsável pelo seu tratamento.
– Não esqueça de tomar os medicamentos sempre no horário prescrito, e qualquer sintoma desagradável, comunique imediatamente seu médico.
– Evitar beber muita água é importante, mas não deixe de beber água, pois seu corpo precisa ser hidratado, recomenda-se que você beba 500ml de água mais a quantidade que você consegue urinar ao dia, exemplo, você urina 300ml por dia, então você pode tomar 800ml ao dia. Se você não urina mais, então você toma 500ml, contudo é importante perguntar ao seu medico como deve ser sua dieta liquida.
– O mesmo vale para a alimentação, diminuir a quantidade de frutas e verduras não é eliminar de vez esses alimentos da sua dieta, pois eles são importantes para garantir sua saúde, o Renal Crônico precisa apenas moderar as quantidades.