Nefropatia de Refluxo

Nomes alternativos:
Pielonefrite atrófica crônica, nefropatia – refluxo, refluxo do ureter, refluxo vesicoureteral

Definição:
Condição na qual ocorre dano nas estruturas internas dos rins, em decorrência do fluxo retrógrado de urina para o rim.


Causas, incidência e fatores de risco:

A nefropatia de refluxo ocorre quando há uma deficiência nos mecanismos que normalmente funcionam como uma válvula unidirecional entre os ureteres e a bexiga, o que permite que a urina reflua pelo ureter diretamente até o rim. Se a bexiga estiver infectada, ou a urina apresentar bactérias, isto expõe o rim à possibilidade de uma infecção (pielonefrite). Além disso, a pressão na bexiga geralmente é mais alta que a do rim, especialmente durante a micção. Isto expõe o rim a pressões particularmente altas, comprometendo-o com o passar do tempo por escaras cicatriciais.

O refluxo pode ocorrer quando os ureteres penetram apenas uma pequena distância para dentro da parede da bexiga, antes de se abrirem dentro dela. Normalmente a pressão da urina na bexiga mantém os canais bem fechados, porém, se os canais da parede da bexiga são curtos ou estão ausentes, a pressão dentro dela força a urina a refluir para o ureter.

O refluxo pode estar associado a outras condições, incluindo infecções vesicais, cálculos vesicais, obstrução da saída vesical, bexiga neurogênica, ureteres anormais, ou número anormal de ureteres.

A nefropatia de refluxo pode não apresentar quaisquer sinais óbvios. O refluxo geralmente é descoberto quando se realiza uma avaliação radiológica de uma criança com infecções vesicais repetidas ou suspeitas. Caso seja identificado o refluxo, os irmãos da criança também devem ser avaliados, visto que esta condição pode ter um histórico familiar.

O grau de refluxo, geralmente separado em cinco categorias diferentes, pode ajudar a determinar a forma como a condição deve ser tratada. O refluxo simples, sem maiores complicações, geralmente se enquadra na categoria de Grau I ou II.

A nefropatia de refluxo também pode ser ocasionada por tumefação temporária após um reimplante cirúrgico de ureteres durante um transplante de rim, ou em decorrência de trauma do ureter.

A nefropatia de refluxo ocorre em cerca de 1 em cada 1.000 pessoas, e por ser suficientemente grave, pode causar o distúrbio em aproximadamente 4 em cada 10.000 pessoas. A nefropatia de refluxo pode levar à insuficiência renal crônica e à doença renal em estágio final. Os sintomas podem não estar presentes se apenas um rim for afetado, ou podem ser os mesmos apresentados nas infecções do trato urinário, síndrome nefrótica, ou insuficiência renal crônica.

Os fatores de risco incluem um histórico pessoal ou familiar de refluxo, anomalias congênitas e infecções recorrentes do trato urinário.

Sintomas:
    * infecções do trato urinário feminino repetidas
    * uma única infecção do trato urinário masculino
    * dor no flanco, dor nas costas ou dor abdominal
    * freqüência ou urgência urinária aumentada
    * necessidade de urinar durante a noite
    * ardência ou dor aguda durante a micção
    * sensação de esvaziamento incompleto da bexiga
    * sangue na urina
    * urina escura ou espumosa

Sintomas adicionais que podem estar associados a esta doença:
    * dificuldade para urinar
    * náusea e vômitos
    * anormalidades na unha
    * febre
    * calafrios

Obs.: O distúrbio pode ser assintomático.

Sinais e exames:

A pressão sangüínea pode estar elevada, e podem existir sinais e sintomas de insuficiência renal crônica.

Outros exames incluem:
    * pressão sangüínea
    * ultra-som renal
    * BUN sérico
    * creatinina sérica
    * clearance de creatinina
    * urina tipo 1 ou estudos de urina de 24 horas que apresentam níveis elevados de proteína urinária
    * cultura de urina que mostra infecção
    * varredura radionuclear pode mostrar refluxo vesicoureteral ou hidronefrose (distensão do rim por acúmulo de líquidos na pélvis renal)
    * IVP (pielograma intravenoso) que apresenta hidronefrose, um rim pequeno, ou escaras cicatriciais do rim
    * tomografia computadorizada abdominal, ultra-som dos rins ou do abdome que apresenta hidronefrose, refluxo, um rim pequeno ou escaras cicatriciais
    * um cistouretrograma de evacuação (VCUG) definitivamente diagnostica refluxo vesicoureteral

Tratamento:
O refluxo simples, sem complicações (denominado refluxo primário), inferior ao Grau III, pode ser tratado mediante:
    * observação cuidadosa
    * culturas de urina repetidas
    * antibióticos para evitar a infecção
    * ultra-som dos rins anual para acompanhar o desenvolvimento

Casos mais graves de refluxo podem requerer cirurgia, entre as quais estão:
    * reimplante ureteral
    * correção reconstrutiva

Expectativas (prognóstico):
Os resultados variam, e a maior parte dos casos de refluxo vesicoureteral desaparece espontaneamente. No entanto, os danos ao rim podem ser permanentes. Se apenas um rim estiver comprometido, o outro pode continuar funcionando adequadamente.

A nefropatia de refluxo pode ser a causa de até 20% dos casos de insuficiência renal em crianças e adultos jovens.

Complicações:

    * danos permanentes em um ou ambos os rins

    * insuficiência renal crônica se ambos os rins estiverem comprometidos

          – evoluindo para um doença renal em estágio final
    * infecção crônica ou recorrente do trato urinário
    * síndrome nefrótica
    * hipertensão
    * pielonefrite
    * escara cicatricial renal
    * refluxo persistente
    * obstrução do ureter depois de uma cirurgia

Solicitação de assistência médica:
Solicite assistência médica se aparecerem sintomas que sugerem uma nefropatia de refluxo.
Solicite assistência médica se houver uma redução da produção de urina, ou se aparecerem novos sintomas.

Prevenção:
Pode ser realizado o reimplante cirúrgico do(s) ureter(es) na bexiga, a fim de deter a nefropatia de refluxo. Isto diminui a freqüência e a gravidade das infecções do trato urinário.

O tratamento imediato das condições que causam o refluxo de urina para o rim pode evitar o desenvolvimento da nefropatia de refluxo.

Fonte da Informação: http://adam.sertaoggi.com.br/encyclopedia/

Faça seu Comentario

Deixe uma resposta